Estilos interativos dos educadores no desenvolvimento das crianças Versão para impressão

Estudo sobre o impacto dos estilos interativos dos educadores no desenvolvimento e competência de iniciativa das crianças dos 12 aos 36 meses

(Lino, D., Costa, C., Paulo, E., Araújo, C., & Silva, R., Lourenço, S.)

 

A qualidade do desenvolvimento e a competência de iniciativa das crianças associam-se positivamente à qualidade de mediação dos educadores, entendida aqui como o tipo de interações dos educadores que se demarcam daquelas designadas como ensinar e instruir, e que dizem apenas respeito à sensibilidade e à intersubjetividade entre educador e criança. Parece ser consensual, na literatura especializada, que a qualidade do desenvolvimento global das crianças é, em larga medida, determinada pelas interações que ocorrem entre educadores e as crianças. No entanto, só muito recentemente, os estudos têm-se debruçado sobre a interação dos educadores com crianças durante os primeiros anos de vida e sobre a forma como diferentes tipos de interações se relacionam com diferentes comportamentos e resultados desenvolvimentais das crianças.

O projeto de investigação intitulado “Impacto dos estilos interativos dos educadores no desenvolvimento e competência de iniciativa das crianças dos 12 aos 36 meses”. Trata-se de um estudo longitudinal com a duração mínima de dois anos. Grosso modo, com este estudo pretende-se acompanhar uma amostra de crianças com idades dos 12 aos 36 anos e as respetivas educadoras em contexto de creche com vista a perceber e caracterizar o impacto dos estilos interativos dos educadores no desenvolvimento e na competência de iniciativa das crianças dos 12 aos 36 meses. Especificamente procura-se compreender as associações entre estilos interativos dos educadores, o desenvolvimento e a competência de iniciativa das crianças dos 12 aos 36 meses.

Prevê-se ainda, na transição do primeiro para o segundo ano do estudo, introduzir um programa de intervenção/formação dos educadores ao nível dos estilos interativos por estes evidenciados e desta forma perceber se mudanças nos estilos adotados, decorrentes do programa de intervenção, possam beneficiar o desenvolvimento e competência de iniciativa das crianças.

Neste estudo serão usados os seguintes instrumentos: i) Ficha de caracterização sócio-demográfica da amostra (Costa, C., Paulo, E., Araújo, C., & Silva, R., Lourenço, S- versão para investigação, 2012); ii) High/Scope Child Observation Record For Infants and Toddlers (High/Scope Press); iii) PQA- Infant and Toddler Program Quality Assessment  (High/Scope Press); iv) EAEE- Escala de avaliação dos Estilos Educativos (Mc William, R., Scarborough, A., Bagby, J. & Sweeney, A.1996); v) SIGS (Ziko, Well-Being And Involvement in Care. A process-oriented self-evaluation instrument for care Settings), Research Centre for Experiential Education Leuven University.

A amostra deste estudo será constituída por grupo alargado crianças entre os 12 e os 36 meses e as respetivas educadoras. O estudo será realizado em contexto de creche e conta com a parceria e colaboração das seguintes instituições nas quais os dados deste estudo serão recolhidos.